Ponteiros da Vez

Começa num jogo de encaixe
Como os das crianças
Acertando e Errando
Balizamos as lembranças

Agora abrindo as gavetas
Presente a novidade
Arrumando os talheres
Com mais liberdade

Hora de peneirar
Fazer um bolo com a avó
Misturando experiência,
Novidade e vem o Nó

Observando os pais trabalhando
num relógio mecânico
Complexo e interligado
Como o jogo de encaixes

Arrumam e reparam
O relógio parece consertar
Mas uma hora como cão velho
Volta a desandar

É chegada a hora
Nossa vez de montar
Um novo mecanismo
Para tudo funcionar

Agora enxergamos as ligas
O encaixe, o bolo,
A gaveta e as pistas
Tudo em um coral

E enfim percebemos
O mecanismo é e deve ser
Refeito para encaixar nas gavetas,
pelos boleiros de cada tempo

Autor: Gustavo Vallesquino Fernandes

Publicado também no site Neologismo.

0 0 voto
Avaliação do artigo
Subscreva
Notificar
guest
0 Comentários
Feedbacks
Visualize os comentários