Receba novidades no e-mail

CONTEÚDO VIP

Coloque o seu email aqui para receber gratuitamente as atualizações do blog!
Dupla jornada: a mulher e o trabalho

Dupla jornada: a mulher e o trabalho

Muitas mulheres são chefes de família e cumprem uma dupla jornada desafiante: cuidar da casa e filhos, além de exercer uma atividade profissional. Essas mulheres almejam trabalhar menos e produzir mais, para conseguir realizar as atividades do dia. Na prática, a maioria se desdobra e precisa manter “jogo de cintura”. O ideal é que a mulher que cumpre dupla jornada possa dividir com outras pessoas (familiares, marido, etc.) suas atividades domésticas ou cuidados com os filhos.

Rotina cansativa e estressante

A analista de crédito paulistana Andrezza Vieira, 36, conta que por causa da dupla jornada, teve uma crise nervosa e passou por momentos de muito estresse. Ela tem um filho de 5 anos e ambos não moram com o pai do menino. “Eu acordava cedo, levava o meu filho para a escolinha e seguia para o trabalho, em pleno horário de pico, com metrô lotado. Chegava ao trabalho estressada todos os dias. No fim do expediente, passava na escola do meu filho e em casa ainda tinha de preparar a comida”.

Para mudar essa rotina, Andrezza soube que algumas empresas contratavam profissionais de sua área para trabalhar em regime home office. Dessa forma, ela enviou currículo para vagas que contemplavam essa modalidade e, felizmente, foi contratada por uma empresa. “Hoje tenho mais qualidade de vida e disciplina. Consigo conciliar as outras atividades diárias com o trabalho. E só de pensar que não preciso pegar metrô lotado e demorar horas para chegar ao destino, já me sinto aliviada”.

Na busca de alternativas

O caso acima mostra a importância em mudar atitudes e hábitos. Andrezza percebeu que tem disciplina para trabalhar em casa e sente-se mais motivada, pois consegue realizar as atividades diárias. Na prática, ela consegue trabalhar com eficiência e se organiza melhor.

A solução para enfrentar uma dupla jornada menos desgastante é dividir tarefas com outras pessoas, quando for possível. Vale destacar que muitas mulheres que vivem com um parceiro sob o mesmo teto têm dificuldade em repassar tarefas domésticas ou cuidados com os filhos, por acharem que os parceiros não conseguirão desempenhar bem a função. O importante é que haja igualdade nas atividades domésticas. Ambos têm suas carreiras, mas precisam lidar juntos com as questões familiares. É injusto que a mulher tenha uma jornada mais pesada. Todas as mulheres têm o direito de seguir suas carreiras profissionais e é indispensável e obrigação do parceiro dividir as tarefas da casa com elas.

A pesquisadora Glaucia dos Santos, em reportagem do “O Dia”, sugere que mães e pais precisam estimular não apenas as meninas nas atividades ligadas ao “cuidado e afeto”, mas inserir os meninos também. Isso contribui para fortalecer e favorecer as relações igualitárias.

Mulheres que abriram mão da profissão

Hoje, existe uma parcela de mulheres bem-sucedidas na profissão que decidiram se dedicar apenas aos filhos e ao lar. De acordo com a pesquisa Mães Contemporâneas/2013, do Ibope, mencionada em reportagem da “Gazeta Online”, cerca de 55% das mulheres que têm filhos desejam deixar a profissão para cuidar da casa.

Casos como de Andrezza, por exemplo, também são bastante comuns. Há uma parcela de mulheres que busca trabalhar menos e até opta por trabalhos mais flexíveis e atividades freelancers, que podem ser feitas em caráter home office. Existem também aquelas que mudam radicalmente de profissão, abandonam a carreira de executiva para se dedicar ao artesanato ou outra modalidade de trabalho.

O mais importante é escolher o que faz bem e lhe traz satisfação. Pense em quais são os seus objetivos, prioridades e o que lhe apetece: equilibrar sua jornada de trabalho com a vida doméstica, desacelerar ou abrir mão da sua carreira profissional? Bom, o que realmente conta é ser feliz, nunca se esqueça disso!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. *

*

Scroll To Top